Conhecendo a História do Exercício

As pessoas sempre buscam pela última novidade em atividade física e fitness para conseguir atingir seus objetivos relacionados com emagrecimento, ganho de massa muscular, força e outros.

 

Costumamos ter a sensação de que sempre as últimas tendências em exercício são aquelas que nos trarão os melhores resultados e serão aquelas que conseguiremos incluir no nosso estilo de vida atual de forma mais fácil.

 

A cada dia surgem e desaparecem modalidades que são consideradas “o melhor tipo de exercício”.

 

O Método Evolutivo considera que o exercício físico, assim como a alimentação e repouso, são aspectos fundamentais para uma vida com qualidade e saúde.

 

Pensando nisso podemos levantar uma questão!

 

Como as pessoas faziam em relação ao exercício antes do surgimento da indústria do fitness nos anos 1970, em uma época em que não se pensava na atividade física como uma sessão de treinamento?

 

Na tentativa de responder essa questão, hoje apresento a tradução de um texto que fala sobre o desenvolvimento do exercício e da Educação Física.

 

Esta tradução pode ser chamada de uma “tradução interpretativa”, onde expressei aquilo que entendi das ideias do autor.

 

Se algum leitor tiver interesse o artigo original pode ser acessado aqui.

 

Boa leitura!

 

Carlinhos

contatometodoevolutivo@gmail.com

 

História do Exercício e da Educação Física

 

 

Fitness, como nós a conhecemos hoje, parece ser uma invenção relativamente moderna - algo que começou vagamente na década de 70 com corrida e ginástica aeróbica. Mas o exercício físico, obviamente remonta muito mais longe do que isso, a uma época em que as pessoas não teriam pensado nisso como “uma sessão de treinamento”, mas sim um modo de vida. Séculos e milênios atrás, não existiam todos os aparelhos de ginástica e academias que temos hoje, e ainda assim eles estavam em melhor forma do que nós. Para entender por que isso aconteceu, como chegamos a nossa moderna cultura de ginástica e o que perdemos ao longo do caminho é necessário dar uma olhada na história do exercício.

 

Em um artigo anterior eu falei brevemente sobre a história do treinamento físico antes da existência das academias e programas de treinamento atuais. Este artigo é uma visão mais detalhada do exercício ao longo do tempo, desde as suas origens ancestrais, do início da história da educação física na Europa e América, a pletora das de modalidades de fitness, esportes e atividades dos dias de hoje.

 

Tempos primitivos: Mover-se para viver!

 

Desde o alvorecer da humanidade, cerca de 10.000 AC, os homens tinham uma voz constante em suas cabeças, dizendo: "Corra por sua vida!" O desenvolvimento físico seguiu um caminho natural que foi determinado pelas exigências práticas da vida em uma paisagem selvagem como bem como na necessidade vital para evitar ameaças e aproveitar as oportunidades para a sobrevivência.

 

As demandas de movimento consistiam de locomoção, manipulação de ferramentas e objetos naturais [pedras, galhos de árvores, etc], e defesa. Para sobreviver em um ambiente hostil repleto de obstáculos e inimigos naturais e também outros humanos, o homem primitivo tinha que saber não só como correr, mas também a pé, se equilíbriar, saltar, rastejar, escalar, levantar, carregar, jogar e pegar as coisas e também lutar. Nós também podemos seguramente assumir que os movimentos lúdicos ou criativos, como as primeiras formas de dança foram realizadas quando barrigas estavam cheias e os predadores não estavam por perto.

 

A força e a mobilidade do homem primitivo não foram desenvolvidas através de programas estruturados, métodos ou horários, mas sim forjadas pelo instintivo, pela prática diária, tendo sido orientadas pela necessidade de habilidades altamente práticas e adaptáveis de ​​movimento. Hoje, as poucas tribos de caçadores-coletores que ainda existem ao redor do mundo não têm ideia do que  o "fitness primal" ou o "treino de homem das cavernas" é ou como este tipo de "exercício" permanece profundamente enraizado em suas vidas cotidianas.

 

 

 

Período neolítico: cultura da colheita

 

Transição do homem de nômades caçadores-coletores para fazendeiros levaram a mudanças dramáticas em sua atividade física. As numerosas demandas do cultivo de alimentos e a criação de gado significou um monte de tarefas e um monte de trabalho diário para os agricultores. Mas essas tarefas eram em grande parte repetitivas, e exigiam uma gama muito limitada de movimentos. Ao mesmo tempo, a necessidade de executar uma variedade de movimentos complexos - correndo, balançando, pulando, rastejando, escalando – foi extremamente reduzida. Tais movimentos raramente eram realizados no ambiente das fazendas, ou simplificados. Por exemplo, subir uma escada é mais seguro, mais limitado e previsível do que subir em árvores.

 

 Antiguidade: preparado para a guerra

 

Entre 4000 AC e a queda do Império Romano em 476 DC, civilizações se erguiam e pereciam as guerras e conquistas. Assírios, Babilônios, Egípcios, Persas e mais tarde, os Gregos e Romanos, todos impunham treinamento físico a meninos e homens jovens. Com qual objetivo? Preparação para a batalha.

 

O treinamento militar antigo tinha semelhanças com os movimentos realizados na natureza por nossos irmãos homens das cavernas, mas com mais estrutura e um objetivo final diferente. Os jovens praticaram habilidades fundamentais, como caminhada e corrida em terrenos irregulares, pulando, rastejando, escalando, levantando e carregando objetos pesados​​, jogando e pegando coisas, praticando combate desarmado e treinamento com armas.

 

Populações civilizadas valorizavam a cultura física para o esporte também. Registros de competições esportivas existem desde o antigo Egito, e claro os gregos antigos criaram os primeiros Jogos Olímpicos. Não surpreendentemente, esses primeiros esportes foram todos baseados em habilidades práticas de movimento natural e foram fundamentalmente relacionados com a preparação necessária para a guerra - os gregos esforçaram na execução [por vezes, com armadura e escudo] de saltos, arremessos [dardo ou disco] e luta.

 

Do lado de fora do treinamento militar e desportivo, os gregos, e mais tarde os romanos, celebravam a beleza e a força do corpo e abraçavam o treinamento físico como um ideal filosófico e uma parte essencial de uma educação completa. Eles celebravam a ideia de ter uma mente sã em um corpo sadio.

 

A Idade das trevas: a rejeição do corpo

 

A Idade Média foi um período caótico com uma sucessão de reinos e impérios, ondas de invasões bárbaras e pragas devastadoras. Os ensinamentos do cristianismo propagavam a crença de que a principal preocupação da vida estava em se preparar para a vida após a morte. O corpo era visto como algo pecaminoso e sem importância - era a alma de um homem que representava sua verdadeira essência. Educação foi esmagadoramente ligada à Igreja, com o foco em cultivar a mente, em vez de treinar o corpo.

 

Sob o feudalismo, o sistema social dominante na Europa medieval, apenas os nobres e os mercenários foram submetidos a treinamento físico para o serviço militar. Da mesma forma que nos tempos antigos, a sua era centrada em movimentos naturais e habilidades marciais.

 

O resto da população era composta em sua maioria camponeses obrigados a viver nas terras de seu senhor e trabalhar muito duro nos campos, usando ferramentas rudimentares. O seu "exercício" veio através do trabalho duro.

 

O Renascimento: um novo começo

 

O Renascimento levou a um aumento do interesse no corpo, anatomia, biologia, saúde e educação física.

Em 1420, Vittorino da Feltre, um humanista italiano e um dos primeiros educadores modernos, abriu uma escola muito popular, onde além das disciplinas humanistas, uma ênfase especial foi dada à educação física.

 

Em 1553, surge El Libro del Ejercicio Corporal y Sus Provechos, escrito pelo espanhol Cristobal Mendez, que foi o primeiro livro a abordar exclusivamente o exercício físico e seus benefícios. No livro, os exercícios, os jogos e esportes são classificados, analisados ​​e descritos a partir de um ponto de vista médico, e conselhos sobre é como prevenir e recuperar de lesões resultantes dessas atividades físicas são oferecidos. Vários capítulos ainda traziam conselhos específicos sobre determinados treinos e jogos para mulheres, crianças e idosos.

 

16 anos depois, Mercurialis, um médico italiano, publicou De Arte Gymnastica. Foi a finalização de seus estudos da literatura clássica e física, particularmente a abordagem dos antigos gregos e romanos para higiene, dieta e exercício, e seu uso de métodos naturais para o tratamento de doenças. Por mostrar pela primeira vez os princípios da fisioterapia e também por apresentar belas ilustrações [apesar de serem em grande parte especulações criativas] este livro é considerado o primeiro livro sobre medicina esportiva. Tendo influenciado fortemente a onda de métodos de ensino e de treinamento físico que começou a surgir na Europa dois séculos mais tarde.

 

 

Velhos Tempos: aptidão pela pátria

 

A Revolução Industrial, que marca a transição do modo de produção manual para processos de fabricação baseados em máquinas, começou por volta de 1760 e rapidamente gerou tendências sociais, econômicas e culturais que mudaram a forma como as pessoas viviam e trabalhavam. Como as pessoas se tornaram mais sedentários, um novo movimento no sentido de exercício físico intencional surgiu. Neste movimento foi dado um impulso no século 19 a partir do surgimento de um fervor nacionalista em muitos países da Europa. Manter-se saudável, apto e pronto para servir no campo de batalha tornou-se um ponto de dever cívico e orgulho.

 

Na Europa

 

Em 1774, Johann Bernard Basedow, influenciado pelas ideias de Rousseau do "Natural Humano", abriu a Philanthropinum na Alemanha, com ênfase em exercícios físicos e jogos, incluindo luta livre, corrida, equitação, esgrima, saltos e dança. Nesta época uniformes escolares eram restritivos, nesta escola eles foram feitos para serem mais confortáveis para permitir aos alunos maior liberdade de movimento. Este modelo inspirou a fundação de muitas instituições semelhantes e o treinamento físico começou a tornar-se mais sistematizada e parte integrante do currículo educacional.

 

Vinte anos depois, Guts Muths, outra professora de alemão e educador, desenvolveu os princípios básicos da ginástica artística, por isso é considerado como o "Grande Avô da Ginástica". Seu Gymnastik für die Jugend [Ginástica para a Juventude] foi o livro primeiro que apresentou uma didática sistematizada para a ginástica, tendo sido publicado em 1800 e tornando-se um padrão de referência para a educação física no mundo.

 

Em 1810 entrou em cena a cultura física de Friedrich Jahn. Conhecido como "O Pai da Ginástica", ele foi um pioneiro da educação física, e suas ideias se espalharam pela Europa e América. A ginástica do educador e nacionalista alemão fervoroso sobreviveu a invasão de Napoleão em seus país, ele percebeu que a melhor maneira de evitar que isso se repetisse era ajudar seu povo desenvolver seus corpos e mentes. Para este fim, ele levou os jovens em expedições para locais com “ar fresco” e ensinou-lhes a ginástica e exercícios de relaxamento para restaurar a sua força física e moral.

 

Em 1811, Jahn abriu o primeiro Turnplatz, ou ginásio ao ar livre, em Berlim. Seu movimento  de ginástica, então chamado Turnverein, espalhou-se rapidamente por todo o país e em 1816 ele publicou Die Deutsche Turnkunst [A Ginástica alemão] onde descrevia seu sistema de ginástica.

 

Além dessas contribuições para a cultura física, Jahn inventou o cavalo com alças, barras horizontais e paralelas também promoveu o uso das argolas de ginástica. Os festivais de cultura física que ele patrocinava atraiam cerca de 30.000 entusiastas, mas a essência e o objetivo final de seu método eram, acima de tudo, prático e funcional, não artístico. Ele defendeu a prática dos movimentos naturais tradicionais, como corrida, equilíbrio, saltos, escaladas e assim por diante.

 

Bem-informado deste modelo alemão, bem como da antiga tradição do atletismo, o sueco Pehr Henrik Ling desenvolveu princípios do desenvolvimento físico, enfatizando a integração do desenvolvimento corporal perfeito com a beleza muscular. Em contraste com o sistema alemão, este sistema sueco promovia "ginástica leve," empregando alguns poucos aparelhos [Ling inventou as barras de parede] e tinha o foco em exercícios de relaxamento, respiração, alongamentos e massagem. 

 

A ginástica sueca teve quatro categorias: pedagógica, militar, médica e estética. Todos os movimentos tinham que ser realizados corretamente e coletivamente sob a supervisão de um líder, o que era bastante diferente da abordagem alemã. Aspectos do método sueco ainda aparecem em alguns programas modernos de treinamento físico.

 

Na mesma época, o espanhol Francisco Amoros fundou uma escola de ginástica militar em Madrid, em seguida mudou-se para Paris e fundou a Escola Civil e Militar normal de Ginástica em 1819. Em 1830, ele publicou um guia para Educação Moral, Física e Ginástica.

 

 

Depois de ter sido removido de sua posição como líder do programa de treinamento físico do exército, ele abriu um popular salão de ginástica civil em Paris e tornou-se o iniciador da educação física na França e na Espanha.

 

Em 1847, o francês pioneiro da cultura física e “strongman” Hippolyte Tríade fundou um enorme ginásio em Paris, onde os burgueses, aristocratas e os jovens estavam unidos em uma busca entusiasta pela aptidão.

 

Na década de 1870, após a perda de Alsácia-Lorena para os alemães, o estado de espírito nacionalista já em ascensão na França explodiu. A educação física tornou-se um foco principal nas escolas francesas, onde batalhões de jovens foram treinados para vingar o país.

 

Na Escócia, os Jogos das Highlands começaram durante a década de 1830, eles incluiam desafios físicos tradicionais característicos da cultura escocesa, como “caber tossing”, arremesso de martelo de pedra colocado, juntamente com a corrida, saltos e lutas.

 

Na Inglaterra, o conceito de "sobrevivência do mais apto" de Charles Darwin deu vida a um movimento de cultura física. Os Ingleses queriam ser fortes o suficiente para subir ao topo da hierarquia da natureza. Em 1849 a primeira competição de atletismo Inglês foi realizada na Academia Real Militar. Scot Archibald MacLaren abriu um ginásio bem equipado na Universidade de Oxford em 1858, onde treinou 12 oficiais do exército, que em seguida, implementaram seu regime de treinamento físico para o exército britânico.

 

Também vale a pena mencionar o movimento Checa Sokol. Fundada em 1862, esta organização da juventude para esporte e ginástica foi inspirada no Turnverein alemão [Movimento de Ginástica] que incluía o treinamento físico, moral e intelectual para a nação através de programas de fitness [principalmente centrada em exercícios de marcha, esgrima, e várias formas de levantamento de peso], palestras, passeios em grupo e enormes festivais de ginástica. Este treinamento que incluiu homens de todas as classes econômicas, eventualmente as mulheres e finalmente todo o mundo eslavo.

 

Inicio do século 20, o oficial da marinha francesa e educador físico Georges Hebert desempenhou um papel de destaque no movimento de cultura física, utilizando as culturas do passado. Tendo estudado os princípios defendidos por seus antecessores, incluindo Jahn e Amoros, ele foi pioneiro o seu próprio "método natural." Seu método foi inteiramente baseado em habilidades naturais do movimento tais como andar, correr, equilibrar, pular, rastejar, escalar, habilidades manipulativas e de autodefesa. Hebert foi o responsável pelo treinamento físico de todos os marinheiros da marinha francesa e depois abriu o maior e mais moderno centro de treinamento indoor/outdoor em Reims em 1913.

 

Hebert publicou seu primeiro livro, L'Education Physique où l'Entrainement Complet par la Methode Naturelle [Educação Física ou Formação completa pelo Método Natural] em 1912, seguido por muitos outros trabalhos sobre o mesmo assunto.

 

Nos EUA

 

Uma vez que a ameaça de invasão estrangeira nunca foi tão grande nos Estados Unidos, essa ameaça estava na Europa, a necessidade de se preparar para a guerra não era tão grande e portanto, uma ênfase na cultura física veio a ocorrer mais tarde nos EUA.

 

Catharine Beecher foi uma das pioneiras ao criar uma consciência de aptidão nos Estados Unidos. Como uma forte defensora da inclusão da educação física nas escolas, bem como dos exercícios diários para ambos os sexos, ela desenvolveu um programa de ginástica que utilizava música. Quando Beecher fundou o Seminário Feminino Hartford em 1823, esta foi a primeira grande instituição de ensino dos Estados Unidos para as mulheres, onde ocorreu a implementação de cursos de educação física.

 

Ao mesmo tempo, as tradições de cultura física européia começaram a se enraizar na América. Muitos "Turners" [praticantes alemães do sistema de ginástica de Jahn] emigraram para os EUA, e em 1824, o erudito alemão Charles Beck abriu um ginásio ao ar livre em Massachusetts, que foi semelhante aos Turnplatz de Jahn. Foi a primeira academia do país e organizou o primeiro programa de ginástica escolar no país.

 

Muitos outros “Turners” tornaram-se ativos no sistema de ensino público americano e fortemente influenciaram a abertura de clubes e ginásios em vários estados. Um dos profissionais mais notáveis ​​dessa tradição européia foi Dudley Allen Sargent, que é considerado o fundador da educação física nos Estados Unidos. De 1879 até sua aposentadoria [em 1919] ele foi diretor do Hemenway Ginasium da Universidade de Harvard, onde ensinou os sistemas alemão e sueco que havia aprendido quando jovem. Sargent também desafiou a visão vitoriana de mulheres como fracas e propensas a desmaios e defendeu a liberdade de se vestir e atividade vigorosa para meninas e mulheres.

 

Sargent inventou vários aparelhos de ginástica, criou um teste universal para força, velocidade e resistência [Universal Test for Strength, Speed and Endurance] em 1902, escreveu inúmeros artigos e livros sobre educação física e advertiu que "sem programas de educação física sólida, as pessoas tornar-se-iam gordas, deformadas, e desajeitadas."

 

O ponto fundamental do desenvolvimento da cultura física, tanto na Europa e os EUA durante este período foi que estes sistemas ginástica eram todos muito semelhantes e tinham coma base em uma abordagem prática. "Ginástica" ou "exercícios calistenicos" não representavam “acrobacias”, mas habilidades de movimento mais utilitárias e de força que era essencial para situações da vida real dos militares.

 

A exceção a esta tendência foi a introdução de aparelhos como o Gymnasticon. Inventado em 1796 e que foi o precursor aparelhos de treinamento modernos.

 

O uso de equipamentos de ginástica iria pegar mesmo no século 20, seriam baseados em pesos com uma abordagem fortemente orientada para a cultura física. Essas duas tendências levaria à indústria de fitness moderna como a conhecemos.

 

O Surgimento da Indústria Moderna do Fiitness

 

O século 20 marcou a ascensão de esportes competitivos e especializados, bem como o surgimento de um mercado de "fitness" e de uma indústria bem organizada e próspera.

 

No início do século 20, ao mesmo tempo, Georges Hebert desenvolveu e promoveu o seu "Método Natural". Outro francês, o Professor Edmond Desbonnet, conseguiu fazer exercício físico e treinamento de força “ficassem na moda” através de publicações de revistas de fitness [ele usou a fotografia para capturar atletas do sexo masculino e feminino] e também abriu uma cadeia de clubes de exercício. Este estabeleceu uma base forte para a cultura física na Europa, mas também para o "fitness" como uma indústria.

 

Sistema de Desbonnet foi uma reação contra a decadência da Belle Epoque, durante o qual as pessoas viviam sem pensar em sua condição física e de saúde. No auge de sua popularidade, ele tinha mais de 200 centros de fitness, e vários dos famosos “strogmens” e fisiculturistas da época eram defensores do método Desbonnet.

 

Sendo bastante caros, esse centros de fitness eram frequentados pela classe alta da sociedade francesa e européia antes da Primeira Guerra Mundial. Depois da guerra a classe trabalhadora também passou a ter acesso ao movimento de cultura física.

 

Durante o mesmo período nos EUA, Bernarr Macfadden ganhou destaque como um guru da cultura física e saúde american. Ele recomendou um estilo de vida minimalista baseado no tempo gasto na natureza, no exercício físico vigoroso diário e na uma dieta sem álcool, chá, café e pão branco.

 

Macfadden começou a comercializar um aparelho de parede para o desenvolvimento muscular de que ele havia criado, e fundou uma das primeiras revistas de musculação, Physical Culture em 1899. Ele também organizou a primeira competição de cultura física nos Estados Unidos em 1903 e outras competições semelhantes em 1921 e 1922. Foi o responsável pela do maior ícone da cultura física, Charles Atlas. Em 1935, o império publicitário de Macfadden tinha um total de 35 milhões de leitores, ele morreu um multimilionário em 1955.

 

Desbonnet e Macfadden podem ser vistos como os precursores da indústria de saúde e do fitness como a conhecemos. A partir daí, entramos na era da confusão, idade do fitness como business, e seus muitos modismos e com a sua atual abordagem de musculação, do uso de máquinas de exercício cada vez mais sofisticados em academias, de equipamentos domésticos orientados pela estética, do grande negócio de suplementos, das inúmeras revistas, dos livros,  dos DVDs e agora o surgimento de exercício baseado em tecnologia.

 

Ao longo de um século, milhares de métodos e programas surgiram, todos prometendo levar as pessoas para a “melhor forma de sua vida” no “menor tempo possível”, com resultados geralmente se limitando as melhorias em sua aparência física.

 

Segue uma pequena lista, que é apenas uma amostra desses métodos e dispositivos onde pessoas têm investiram milhões de dólares no século passado:

 

·         Vibrating belt

 

·         Jack LaLanne’s TV tips and juicing

 

·         Jane Fonda’s aerobics

 

·         Simmons’s “Sweatin’ to the Oldies” videos

 

·         Bowflex home gyms

 

·         Thighmasters

 

·         8 Minute Abs

 

·         Ab Rollers

 

·         Tae Bo

 

·         Pilates

 

·         Spinning

 

·         P90X

 

·         Wii Fit

 

·         Power Plates

 

·         Sauna Suits

 

·         Power Wristbands

 

·         E muito mais…

 

Se em um lado temos o “exercício não regulamentados” por outro a “ciência do exercício”. O exercício físico tem sido analisado e quantificado em laboratórios, enormes quantidades de dados sobre os efeitos do movimento sobre corpo humano ter sido acumulado. Os profissionais que fazem carreira “analisando esses dados” e “fazendo recomendações com base neles”, são regulados por de numerosas organizações, associações, conselhos, federações e comissões, como:

 

·         Academy of Applied Personal Training Education

 

·         American College of Sports Medicine

 

·         American Council on Exercise

 

·         International Fitness Professionals Association

 

·         National Academy of Sports Medicine

 

O Estado Atual da Cultura Física: “perdido em fitness”

 

 

Ao refletirmos sobre a evolução da aptidão física ao longo dos séculos e suas diferentes facetas presentes em nossa cultura física moderna, é importante nos perguntarmos: o que perdemos e o que ganhamos?

 

Obviamente, muita coisa boa saiu disso tudo: maior consciência da importância do exercício físico regular, encontramos academias, ginásios ou praças onde as pessoas podem se exercitar em quase todos os locais e entendemos mais sobre como funciona o corpo humano e como ele responde ao treinamento físico.

 

Contudo, apesar da infinidade de métodos de saúde e fitness, programas e recursos, a população em geral nunca foi tão sedentária e fora de forma.

 

Um relatório recente da Organização Mundial da Saúde indica que a espectativa de vida em os EUA caiu pela primeira vez desde 1993, a saúde das pessoas modernas está diminuindo apesar de tecnologias médicas altamente avançadas, mesmo a indústria da saúde e fitness prosperando. Como pode ser isso?

 

 

Uma questão importante é a motivação. As pessoas simplesmente não são tão motivadas para mover ses corpos e ficarem saudáveis como era no passado. Vivemos em uma sociedade onde a incapacidade de lidar com corpo de uma maneira prática e eficaz não é mais uma situação primordial. 

 

Em minha opinião, a indústria de saúde e fitness como um todo, não importando quanto é "de ponta" ou quanto "revolucionário" cada novo programa pretende ser, não esta conseguindo gerar, a maioria das pessoas, motivação real desfrutar dos benefícios do exercício físico. Além de algumas poucas exceções, acredito que a indústria tem contribuído para a disseminação de uma percepção limitada do que a saúde e fitness são e assim as pessoas estão virando as costas.

 

A esmagadora maioria tem a percepção mais comum do que significa estar em forma, e a principal motivação para se exercitar, é “estar bem esteticamente”. Não é mais ter um corpo saudável e que pode realmente fazer coisas que são úteis para a vida real.

 

Atualmente a visão mais comum sobre como deve ser o exercício é de que você precisa de máquinas para exercícios aeróbicos, para músculos e força e também para estar bem esteticamente. E quem sabe acrescentar um pouco de alongamento a isso tudo [há equipamentos para isso também]. Não nos esquecemos de algumas vitaminas e suplementos para você ser saudável e estar em forma!

 

Para quase todas as pessoas, o exercício é uma simples tarefa e não um prazer; é algo que as pessoas precisam se forçar a fazer e não uma expressão natural de quem eles são.

Por último, mas não menos importante, muitos que tentam resolver as suas necessidades de aptidão física estão confusos quanto a que modalidade escolher, perdemos a clareza e a simplicidade, nós perdemos o senso de praticidade e com isso perdemos naturalidade.

 

Um Novo Paradigma para o Futuro

 

Vejo dois paradigmas radicalmente diferentes sobre o futuro do exercício no horizonte.

 

Por um lado, estamos entrando uma era onde cada vez mais as máquinas avançadas de exercício tendem a remover as pessoas da vida real, da natureza e as afastar daquilo que seus corpos são naturalmente projetados para fazer. Eu vejo a idade da tecnologia de ginástica, com aparelhos conectados com seus aplicativos, sensores e fios. A idade de "bio-pirataria" e da eficiência exercício, oferecendo promessas como: "Fique em forma em 3 minutos de exercício por semana!" A era da onipresente auto quantificação onde as pessoas obsessivamente conferem curvas de dados em uma tela, tentando gerir a sua saúde e aptidão da maneira mais científica possível. É realmente nessa direção que deveríamos estar indo?

 

Apesar de tudo que a indústria de saúde e fitness oferece as pessoas nunca estiveram tão inativas fisicamente. Então devemos esperar que a resposta para esta situação viesse desses variados programas tecnologicamente desenvolvidos e ou avançados equipamentos? Ou será que a solução vem de uma mentalidade diferente, uma abordagem mais simples e prática e de uma nova cultura?

 

Meu amigo e expert movimento funcional, Grey Cook uma vez disse: "Nós estamos destinados a crescer forte e envelhecer graciosamente. A recuperação do movimento autêntico é o ponto de partida".

 

Para se tornar [e permanecer] forte e saudável, a maioria de nós, só precisa mover-se naturalmente, como todos os seres humanos costumavam fazer a não muito tempo. Precisamos praticar as habilidades motoras fundamentais para desenvolver uma base de competência física que é útil na vida real. Nós também precisamos empregar uma abordagem “que retorne as origens”, que seja prático, tanto na execução e como nos objetivos, que as pessoas achem agradável, que seja progressiva, que não obrigatoriamente venha a exigir equipamentos muito caros e que pode ser realizada em grupos.

 

Então me deixe apresentar um o paradigma, que alternativo em relação aquilo que eu imagino para o futuro do exercício físico. Por milhares de anos, o desenvolvimento físico seguiu um caminho natural; estamos habituados a movimentos naturais gerados pelas exigências da vida. Tigres, ursos, cavalos selvagens, gorilas, golfinhos, águias ainda fazem o mesmo que faziam a milhares de anos atrás. Nós ainda somos “projetados” para acompanhar a evolução e a natureza. Por centenas de anos, nossos antepassados ​​têm confiaram em um “projeto” que se mostrou imediatamente útil e capaz de gerar benefícios práticos para as suas vidas.

 

Movimento natural, ou o desempenho físico prático, esteve no centro do exercício durante séculos. Isso também provavelmente fez parte dos nossos anos de infância. Nessa época nós corríamos, saltávamos, nos equilibrávamos, engatinhávamos, subíamos, carregávamos umas coisas, atirávamos outras e brincávamos. Hoje você precisa de máquinas ou aplicativos de smartphones? Você precisa controlar alguma coisa? Você fica pensando em quais músculos esta exercitando?

 

Só porque as conveniências modernas eliminaram a necessidade de se movimentar , caso você esteja com fome, é só clicar e pedir uma pizza on-line, certo? E só porque a indústria de fitness nos levou a acreditar que a aptidão acontece apenas dentro da academia e com um equipamento, não significa que nossa natureza biológica, potencial evolutivo natural e nossa necessidade de movimentos complexos e adaptáveis ​​tenham mudado.

 

Não temos de aceitar o nosso estilo de vida sedentário e permanecer cercado pelas máquinas que criamos a fim de nos tornarmos mais aptos. Não temos de manter uma falsa dicotomia entre força e condição cardiovascular, entre corpo e mente, entre aptidão e saúde ou entre o exercício como algo que fazemos e do movimento e da atividade física como uma expressão de quem somos.

 

Eu acredito que não é só um dever biológico, mas também um dever moral que todos estejam equipados com as habilidades de movimento, força, condicionamento e força mental que são necessários para responder de forma eficaz às exigências físicas da vida real. Eu também acredito que a natureza é o que todos nós precisamos - a natureza fora de nós, e tão importante quanto nossa natureza física interna. Autor Richard Louv coloca isso muito bem:

 

"O futuro pertence à natureza inteligente. A mais alta tecnologia se torna, de mais a natureza que precisamos ".

 

Alejandro Jodorowsky disse uma vez que "aves nascidas em uma gaiola acham voar é uma doença." Aprendemos a negligência, a desconfiança e até o medo nossos próprios movimentos naturais. A verdade é que ainda temos um verdadeiro potencial natural para um movimento poderoso, elegante e útil. Mova-se para que você possa ser forte e seja forte para que você possa ser livre.

 

 

Autor: Erwan Le Corre

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivos
Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social