Descubra uma forma simples de medir seu risco à saúde!

  

Imagine aquele período do ano em que você faz seus exames anuais. 

 

Após ter realizado o exame de sangue você recebe um e-mail ou uma mensagem no whatsapp de que seus exames estão prontos.

 

Você então acessa os resultados via internet, faz o download e imprime as 5 folhas com todos os resultado.

 

Mesmo que todos os resultados tenham os valores de referências, você acaba ficando com dúvidas. Existe a possibilidade de que alguns dos resultados estejam fora das referências de normalidade e deixam você preocupado.

 

Então, essa preocupação persiste até o dia em que você tem a consulta marcada. Ai o médico lhe explica tudo e você fica mais calmo e segue as recomendações feitas por ele.

 

Pensando na situação que acabo de descrever, não vem a sua mente uma pergunta?

 

E se existisse uma forma mais simples de avaliar a minha saúde. Algo que pudesse ser feito regularmente na minha casa. Uma alternativa que fosse eficiente, prática e rápida. 

 

Essa ferramenta existe! É a medida de circunferência da cintura (CC) e sua relação com a estatura (RCE).

 

Estas duas variáveis, CC e RCE, são capazes de estimar de forma rápida e simples a sua gordura visceral (GV). A GV é aquela gordura que se acumula dentro da sua cavidade abdominal, abaixo dos seus músculos.

 

Quanto maior for a quantidade dessa gordura menor será a sua longevidade. Isso acontece pois a GV aumenta os ricos de doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, diabetes, inflamação e câncer. Sem contar o fato de que a GV pode atrapalhar a vida sexual.

 

Como medir a CC?

 

Essa medida é fácil, você só precisa de uma fita métrica e se posicionar em frente ao espelho. Então coloque a fita na posição indicada pela figura abaixo e faça a medida.

 

 

Para saber se seus riscos á saúde são normais, compare a medida realizada com tabela abaixo.

 

 

 

Como calcular a RCE?

 

O cálculo da RCE também é simples. Divida o valor em centímetros da sua CC pela sua altura em metros. Imagine que a sua CC é 79 cm e sua estatura é 1,68 m. A sua RCE será de 47.

 

Os valores considerados de risco normal são de 51 para os homens e 53 para as mulheres. De forma geral a sua CC deve ser de 50% do valor da sua altura.

 

Mensagem Final

 

A CC e a RCE são duas formas fáceis e rápidas de estimar seus riscos á saúde.

 

Podem ser realizadas frequentemente para que você tenha um controle e faça as alterações necessárias no seu estilo de vida caso elas venham a ficar fora da normalidade.

 

Mas não esqueça que a CC e RCE não substituem os exames médicos de rotina. Elas servem para nos dar indicações sobre se nosso estilo de vida está o mais condizente possível com aquele que nossos genes esperam. 

 

Se você gostou do texto ou acha que algum amigo ou parente pode se beneficiar com ele por favor, compartilhe.

 

Se você ainda não se cadastrou no site, acesse nossa página inicial e na barra inferior coloque seu e-mail.

 

Você também pode seguir o Método Evolutivo no Instagram.

 

Se tiver alguma pergunta ou dúvida mande um e-mail para contatometodoevolutivo@gmail.com ou deixe um comentário na postagem.

 

Caso você queira conhecer as evidências por trás dessas informações leia o texto que está logo abaixo.

 

Grande abraço,

Carlinhos

Gordura visceral e circunferência da cintura.

 

Gordura visceral (GV) é e gordura que se encontra dentro da cavidade abdominal junto aos órgãos, o acumulo exagerado pode levar a redução da longevidade [1].  Este tipo de gordura esta associada com um maior risco cardiovascular [2], aumento dos níveis de triglicerídeos em adultos não obesos [3], prejuízo ao metabolismo da glicose [4], doença renal e síndrome metabólica [5], inflamação [6, 7] e câncer [7, 8].

 

 

A GV pode ser mensurada através de exames de imagem, como tomografia computadoriza [9, 10, 11], ressonância magnética [11] e ultrassonografia [12]. Contudo, existe uma forma mais simples de se fazer a estimativa da GV. Podemos fazer isso através da medida da cintura, já que a GV apresenta uma associação positiva com a circunferência da cintura (CC) [9].

 

A CC está associada com o aumento do risco cardiovascular [13], síndrome metabólica [14], ganho de peso [15], câncer [16], hipertensão [17], redução da densidade mineral óssea [18], diabetes [19, 20, 21, 22] e também com perturbações da vida sexual [23]. Essa ligação com diferentes problemas de saúde e fatores de risco, além de já ter sido bem estabelecida nos adultos [13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23], também acontece com crianças [24, 25, 26] e adolescentes [26]. E um ponto que chama a atenção é a associação da CC e a obesidade central em crianças com menos de 6 anos [25].

 

Considerando a possibilidade de que CC possa estimar o risco de todos os problemas anteriormente citados e sua associação positiva com o aumento da mortalidade por todas as causas [27] podemos utilizar essa simples variável como uma ferramenta simples e efetiva para estimarmos nosso risco à saúde.

 

Índice de massa corporal, relação cintura/estatura e risco á saúde.

 

O índice de massa corporal (IMC) é uma variável amplamente utilizada para a classificação da obesidade, isso acontece por ele estar associado com diferentes fatores de risco para doenças cardiovasculares, como pressão arterial, triglicerídeos, colesterol HDL e outras subfrações do colesterol [28, 29], tanto em adultos [30], como em crianças [31].  Além disso, o IMC também pode ser associado com demência [32], câncer [33] e aumento da mortalidade [34].

 

Mas o IMC pode apresentar algum tipo de limitação na estimativa da obesidade e dos riscos à saúde, pessoas que apresentam IMC normal podem ter GV acumulada em excesso [35] e para indivíduos com IMC entre 25-29,9 kg/m² a diferenciação entre gordura corporal e massa magra é falha tanto para homens, como para mulheres [36]. Existem evidências que sugerem uma associação mais forte da obesidade abdominal com acidente vascular cerebral [37] e doença arterial coronariana [38] do que do IMC.

 

A medida da relação cintura/estatura (RCE) é obtida através da divisão da circunferência da cintura em centímetros pela estatura em metros. Está medida proporcional pode ser considerada com um boa ferramenta para a estimativa da GV [39], do risco cardiovascular [40, 41] e da mortalidade [42]. A RCE apresenta uma associação mais forte com fatores de risco cardiovascular do o IMC tanto pra adultos [43], como para crianças [44].

 

Quais são os valores considerados seguros para CC?

 

Os critérios para o aumento do risco à saúde e a circunferência da cintura da Organização Mundial da Saúde (OMS) aparecem no quadro que segue [45].

 

 

Estes valores representam bem os critérios que determinam maiores riscos á saúde para populações europeias [46]. Contudo os critérios que determinam um risco normal ou risco aumentado podem variar dependo do país e da etnia. Um trabalho realizado em 2004 [47] demonstrou que para os Chineses o valor de corte para aumento dos riscos para hipertensão, alterações no colesterol e diabetes é de 80 cm para homens e mulheres. 

 

Até mesmo dentro de uma mesma população os valores de corte para aumento do risco podem variar. Em 2011 outro trabalho realizado na China [48] demonstrou que quando são considerados múltiplos fatores metabólicos de risco, a circunferência limite da cintura é  91,3 cm para os homens e  87,1 cm para as mulheres.

 

Ao considerarmos outras populações e etnias os valores de corte para aumentos do risco á saúde podem ser ainda mais diferentes. Esse é o caso do risco de hipertensão para os indivíduos do Caribe e da África [49], como mostra a tabela a seguir.

 

 

Em 2009 um trabalho [50] que analisou 589 pessoas moradoras da cidade de Porto Alegre (RS), demonstrou que os valores de corte da CC para o aumento do risco de hipertensão era de 87 cm para os homens e 80 cm para as mulheres. Estes resultados coincidem com o valor de corte para as mulheres apresentado pela OMS, mas mostram um valor de corte menor para os homens.

 

Quando uma população de indivíduos maiores de 20 anos do mesmo estado, mas de outra cidade (Pelotas), foi estudada [51] os resultados demonstraram que os valores de corte que apresentam a maior acurácia para risco cardiovascular são de 95 cm para os homens e 87 cm para as mulheres.

 

Para população da região sudeste do Brasil um estudo de 2014 [52] demonstrou que entre os homens a CC maior do que 88,8 cm é positivamente associada com fatores metabólicos de risco (como perfis de glicose e lipídios e ainda pressão arterial) e com uma prevalência de 19,3% de obesidade central. Valores maiores do que 93,4 cm foram associados com uma maior prevalência de síndrome metabólica e resistência á insulina.

 

Considerando essas informações podemos determinar que para população Brasileira os valores de CC de estão associados com menor risco á saúde são de 94 cm para os homens e 80 cm para as mulheres. Mas vale ressaltar que para o risco isolado de hipertensão o valor de 87 cm pode ser mais adequado para os homens.

 

Quais são os valores considerados seguros para RCE?

 

Ao analisar o risco cardiovascular da população Indiana com idade média de 50 anos um estudo realizado em 2014 [53] mostrou que indivíduos com IMC maior que 25 kg/m² que têm RCE igual ou maior do que 55 apresentam 6,7 vezes mais risco. Esses valores são coincidentes com aqueles estimados para a população Chinesa em 2011 [54], que foram de 51 para os homens e 53 para as mulheres.

 

Para a população Brasileira valores da RCE de 51 para os homens e 53 podem ser considerados adequados para estimar da obesidade central e o risco á saúde. Foi isso que um trabalho [55] realizado com 968 pessoas (391 homens), com idade entre 30 e 74 anos demonstrou.

 

Consideração final

 

Pensando em uma abordagem simples sobre o risco à saúde  podemos considerar que o ponto de corte para CC é de 94 cm para os homens e 80 cm para as mulheres. Para a RCE é de 51 para os homens e 53 para as mulheres. Esses valores são os mais indicados para que os riscos gerais à saúde sejam reduzidos.

 

Referências

[1] Finelli C, et al. 2013. Should visceral fat be reduced to increase longevity? DOI: 10.1016/j.arr.2013.05.007

[2] Matsuzawa Y, et al .1995. Visceral fat accumulation and cardiovascular disease. PMID: 8653544

[3] Huang CY, et. al. 2015. Serum Triglyceride Levels Independently Contribute to the Estimation of Visceral Fat Amount Among Nondiabetic Obese Adults. DOI: 10.1097/MD.0000000000000965

[4] Von Düring ME, et. al. 2015. Visceral fat is better related to impaired glucose metabolism than body mass index after kidney transplantation. DOI: 10.1111/tri.12606

[5] Kang SH, et. al. 2015. Association of Visceral Fat Area with Chronic Kidney Disease and Metabolic Syndrome Risk in the General Population: Analysis Using Multi-Frequency Bioimpedance. DOI: 10.1159/000368498

[6] Item F, Konrad D. 2012. Visceral fat and metabolic inflammation: the portal theory revisited. DOI: 10.1111/j.1467-789X.2012.01035.x

[7] Ciortea R, et al. 2014. Association between visceral fat, IL-8 and endometrial cancer. PMID: 24403491
[8] Go JE, et. al. 2015. Effect of visceral fat area on outcomes of laparoscopyassisted distal gastrectomy for gastric cancer: subgroup analysis by gender and parameters of obesity. DOI: 10.4174/astr.2015.88.6.318

[9] Shiina Y, Homma Y. 2013. Relationships between the visceral fat area on CT and coronary risk factor markers. PMID: 23955611

[10] Nemoto M, et al. 2014. Development of automatic visceral fat volume calculation software for CT volume data. DOI: 10.1155/2014/495084

[11] Choi MH, et al. 2016. Validation of intimate correlation between visceral fat and hepatic steatosis: Quantitative measurement techniques using CT for area of fat and MR for hepatic steatosis. DOI: 10.1016/j.clnu.2016.12.006

[12] Bertoli S, et al. 2016. Metabolic correlates of subcutaneous and visceral abdominal fat measured by ultrasonography: a comparison with waist circumference. DOI: 10.1186/s12937-015-0120-2

[13] Després JP. 2014. Waist circumference as a vital sign in cardiology 20 years after its initial publication in the American Journal of Cardiology. DOI: 10.1016/j.amjcard.2014.04.043

[14] Gozashti MH, et al. 2014. Determination of most suitable cut off point of waist circumference for diagnosis of metabolic syndrome in Kerman. DOI: 10.1016/j.dsx.2013.10.022

[15] Albrecht SS, et. al. 2015. Is waist circumference per body mass index rising differentially across the United States, England, China and Mexico?

[16] Gaudet MM, et al. 2014. Waist circumference, body mass index, and postmenopausal breast cancer incidence in the Cancer Prevention Study-II Nutrition Cohort. DOI: 10.1007/s10552-014-0376-4

[17] Carba DB, et al. 2013. Waist circumference and the risk of hypertension and prediabetes among Filipino women. DOI: 10.1007/s00394-012-0390-9

[18] Cui LH, et al. 2014. Sex-related differences in the association between waist circumference and bone mineral density in a Korean population. DOI: 10.1186/1471-2474-15-326

[19] Dedinská I, et al. 2015. Waist circumference as an independent risk factor for NODAT. DOI: 10.12659/AOT.892067

[20] Adegbija O, et al. 2015. Predicting absolute risk of type 2 diabetes using age and waist circumference values in an aboriginal Australian community. DOI: 10.1371/journal.pone.0123788

[21] Mamtani M, et al. 2014. Waist circumference is genetically correlated with incident Type 2 diabetes in Mexican-American families. DOI: 10.1111/dme.12266

[22] Alvim Rde O, et al. 2014. Body mass index, waist circumference, body adiposity index, and risk for type 2 diabetes in two populations in Brazil: general and Amerindian. DOI: 10.1371/journal.pone.0100223

[23] Costa RM, Brody S. 2014. Orgasm and women's waist circumference. DOI: 10.1016/j.ejogrb.2014.09.007

[24] Dong B, et. al. 2015. Intensified association between waist circumference and hypertension in abdominally overweight children.

[25] Hatipoglu N, et al. 2013. Waist circumference percentiles among Turkish children under the age of 6 years. DOI: 10.1007/s00431-012-1822-5

[26] Mehta SK, et al. 2016. Waist circumference to height ratio and left ventricular mass in children and adolescents. DOI: 10.1017/S1047951115000803

[27] Cerhan JR, et al. 2014. A pooled analysis of waist circumference and mortality in 650,000 adults. DOI: 10.1016/j.mayocp.2013.11.011

[28] Won CW, et al. 2006. Body mass index and C-reactive protein in the healthy Korean aged men. DOI: 10.3346/jkms.2006.21.5.811

[29] Wing RR, et al. 19989. Insulin, body mass index, and cardiovascular risk factors in premenopausal women. PMID: 2665702

[30] Romero-Corral A, et al. 2014. Accuracy of body mass index in diagnosing obesity in the adult general population. DOI: 10.1038/ijo.2008.11

[31] Gonçalves R, et al. 2014. . Association of body mass index and aerobic physical fitness with cardiovascular risk factors in children. DOI: 10.1590/0103-0582201432310

[32] García-Ptacek S, et al. 2014. Body mass index in dementia. DOI: 10.1038/ejcn.2014.199

[33] Wong JY, et al. 2013. The impact of body mass index on esophageal cancer. PMID: 23571704

[34] Allman-Farinelli M. 2014. Invited commentary: Body mass index and mortality. DOI: 10.1093/aje/kwt252

[35] Hsieh SD, et al. 2003. Waist-to-height ratio, a simple and practical index for assessing central fat distribution and metabolic risk in Japanese men and women. DOI:10.1038/sj.ijo.0802259

[36] Romero-Corral A, et al. Accuracy of body mass index in diagnosing obesity in the adult general population. DOI: 10.1038/ijo.2008.11

[37] Walker SP, et al. 1996. Body size and fat distribution as predictors of stroke among US men. PMID: 8956626

[38] Siavash M, et al. Comparison of body mass index and waist/height ratio in predicting definite coronary artery disease. DOI: 10.1159/000172977

[39] Ashwell M, et al. 1996. Ratio of waist circumference to height is strong predictor of intra-abdominal fat. PMC2351911

[40] Schneider HJ, et al. Obesity and risk of myocardial infarction: the INTERHEART study. DOI: 10.1016/S0140-6736(06)68462-6

[41] Sabah KM, et al. 2014. Body mass index and waist/height ratio for prediction of severity of coronary artery disease. DOI: 10.1186/1756-0500-7-246

[42] Cox BD, Whichelow M. 1996. Ratio of waist circumference to height is better predictor of death than body mass index. PMCID: PMC2352984

[43] Bosy-Westphal A, et al. 2006. Value of body fat mass vs anthropometric obesity indices in the assessment of metabolic risk factors. DOI: 10.1038/sj.ijo.0803144.

[44] Higgins M, et al. 1988. Hazards of obesity–the Framingham experience. PMID: 3164971

[45] Waist Circumference and Waist-Hip Ratio Report of a WHO Expert Consultation GENEVA, 8–11 DECEMBER 2008

[46] Han TS, et al. 1995. Waist circumference action levels in the identification of cardiovascular risk factors: prevalence study in a random sample. PMCID: PMC2544423

[47] Wildman RP, et al. 2004. Appropriate body mass index and waist circumference cutoffs for categorization of overweight and central adiposity among Chinese adults. PMID: 15531658

[48] Liu Y, et al. 2011. Can body mass index, waist circumference, waist-hip ratio and waist-height ratio predict the presence of multiple metabolic risk factors in Chinese subjects? DOI: 10.1186/1471-2458-11-35.

[49] Okosun IS, et al. 2000. Predictive value of abdominal obesity cut-off points for hypertension in blacks from west African and Caribbean island nations. PMID: 10702768

[50] Gus M, et al. 2009. Waist circumference cut-off values to predict the incidence of hypertension: an estimation from a Brazilian population-based cohort. DOI: 10.1016/j.numecd.2008.03.007

[51] Vianna CA, et al. 2014. Accuracy and adequacy of waist circumference cut-off points currently recommended in Brazilian adults. DOI: 10.1017/S1368980013000529

[51] De Oliveira A. et al. 2014. Waist circumference measures: cutoff analyses to detect obesity and cardiometabolic risk factors in a Southeast Brazilian middle-aged men population - a cross-sectional study. DOI: 10.1186/1476-511X-13-141

 

 

 

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivos
Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social