Brincadeira de criança que deveria fazer parte da sua vida adulta!

Pense um pouco na sua infância, quando o condicionamento físico era obtido através de um monte de atividades divertidas e brincadeiras, não através de uma série de exercícios e tarefas monitoradas.

 

 

Uma dessas brincadeiras divertidas com certeza era “pular corda”, fosse no recreio da escola, na praça próxima a sua casa ou até mesmo dentro de casa nos dias de chuva.

 

Como adultos, somente relacionamos o pular corda como meio de condicionamento físico aos lutadores de boxe e ao Rock Balboa.

 

 

Com prática e dedicação você também pode colher os benefícios deste divertido e desafiador meio condicionamento físico.

 

Primeiramente compre uma boa corda e regule o tamanho. Para isso, fique com os pés no centro da corda, as pontas devem chegar as suas axilas ou um pouco abaixo, teste e faça ajustes se necessário.

 

Aprender a pular corda é uma atividade que requer alguns fundamentos básicos, o primeiro deles e dominar o movimento correto de absorção de impacto quando os seus pés tocam o solo. O movimento correto é feito com os pés tocando o solo primeiramente com a ponta e depois deve ser realizada uma pequena flexão dos joelhos.

 

Outro aspecto básico importante é dar atenção à frequência dos saltos, devem ser realizados em média 2 saltos por segundo. Os saltos não devem ser atrasados para acertar o movimento dos braços e sim o movimento dos braços e da corda devem ser acelerados para serem sincronizados com os saltos.

 

Outras dicas que irão auxiliá-lo no inicio do seu treinamento de pular corda, são:

• Relaxe os ombros e cotovelos e tente mantê-los perto de seu corpo;

• Mantenha as costas retas, com a cabeça erguida;

• Use seus punhos para fazer pequenos círculos e assim girar a corda;

• Pule o suficiente para que a corda passe entre seus pés e o solo, não é necessário saltar muito alto e nem flexionar os joelhos.

 

Benefícios do Treinamento de Pular Corda

 

Condicionamento cardiovascular

 

Pular corda aumenta sua frequência cardíaca de forma igual e até mesmo superior a realização de saltos sem a corda [1], considerando essa capacidade podemos dizer que essa atividade pode gerar melhoras da capacidade cardiovascular. Esse tipo de alteração já foi demonstrada com o treinamento de pular corda em atletas de voleibol [2], em pessoas não atletas [3] e também em crianças obesas [4].

 

Combate a Osteoporose

 

No Japão pesquisadores [5] fizeram ratos saltar para cima e aterrissar 40 vezes durante uma semana e isso gerou aumento da densidade óssea após 24 semanas e estes ganhos foram mantidos enquanto os saltos eram realizado cerca 20 ou 30 vezes por semana. Esse tipo de alteração na densidade mineral óssea também foi observada em mulheres na menopausa quando foram comparados exercícios de potência, como pular corda, com exercícios de força [6].

 

Desempenho Desportivo

 

Em um estudo de 1998 [7], foi demostrado que corredores que trocaram um terço de suas sessões de corrida por sessões de treinamento de pular corda tiveram melhorias significativas em suas velocidades de corrida na distância de 5Km. Esta melhoria ocorreu devido a melhoria das características neuromusculares e a na economia de corrida.

 

Coordenação

 

Pular corda pode melhorar a sua coordenação e o ritmo entre as mãos e os movimentos dos pés. Pesquisadores [2] testaram os efeitos do treinamento de pular de corda na força, na coordenação e na propriocepção em atletas de vôlei do sexo. A conclusão foi de que a inclusão dos exercícios de pular corda  melhora a coordenação.

 

Assim podemos afirmar que a inclusão dessa “brincadeira de criança” na nossa vida adulta pode trazer uma série de benefícios.

 

Vamos brincar!

 

Quer prender a pular corda e receber um programa de treinamento de 4 semanas?

 

Escreve para contatometodoevolutivo@gmail.com ou liga para 51 3217-6397, marca uma aula gratuíta de Fundamentos de Pular Corda que eu vou te ensinar o que você precisa e te passar o programa de treinamento.

 

Grande abraço.

Carlinhos Salerno

 

[1] Bloch MW, et al. 1989. Heart rate, activity, duration, and affect in added-purpose versus single-purpose jumping activities. DOI: 10.5014/ajot.43.1.25

[2] Ozer D, et al. 2011. The effects of rope or weighted rope jump training on strength, coordination and proprioception in adolescent female volleyball players. PMID: 21681154

[3] Chen CC, Lin SY. 2011. The impact of rope jumping exercise on physical fitness of visually impaired students. DOI: 10.1016/j.ridd.2010.08.010

[4] Kwon MS, Hwang KS. 2007. Effects of an exercise program on body composition, cardiopulmonary function, and physical fitness for obese children. PMID: 17615478

[5] Ooi FK, et al. 2009. Minimum level of jumping exercise required to maintain exercise-induced bone gains in female rats. DOI: 10.1007/s00198-008-0760-6

[6] Gray M, et al. 2013. The effects of power and strength training on bone mineral density in premenopausal women. PMID: 23828291

[7] Paavolainen L, et al. 1999. Explosive-strength training improves 5-km running time by improving running economy and muscle power.  DOI: 10.1152/jappl.1999.86.5.1527

 

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivos
Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social