Se você quer salvar o planeta, veganismo não é a resposta!

Na postagem de hoje resolvi tratar de um tema complexo e que quando discutido sempre gera grande polêmica.

 

 

Para isso resolvi fazer uma tradução de um texto foi publicado em 26 de novembro de 2019 no The Guardian, caso você queira ler o original clique aqui. A autora se chama Isabell Tree, a autora do livro Wilding: The Return of Nature to a British Farm.

 

A tradução feita pode ser chamada de adaptada, isso significa que não fiz uma tradução literal, alterei alguns termos e incluí algumas outras informações e comentários para que expressar melhor meu entendimento do conteúdo e como acredito que ele se aplique.

 

Então vamos ao texto!

 

O veganismo cresceu muito nos últimos dois anos no Reino Unido. De meio milhão pessoas em 2016 chegou a mais de 3,5 milhões nos dias de hoje, chegando a 5% da população. Documentários como Cowspiracy e What the Health demonstram a indústria intensiva de carnes e laticínios, expondo os impactos na saúde animal e humana e no meio ambiente.

 

Em vez de sermos seduzidos pela tentação de comer mais produtos feitos de soja, milho e grãos cultivados industrialmente, o mais importante e relevante seria incentivarmos as formas sustentáveis ​​de produção de carne e laticínios com base nos sistemas rotacionais tradicionais, pastagens permanentes e pastoreio de conservação.

 

Deveríamos questionar a ética de aumentar a demanda por culturas que exigem altos insumos de fertilizantes, fungicidas, pesticidas e herbicidas, enquanto demonizamos formas sustentáveis ​​de criação de gado que podem restaurar solos, a biodiversidade e sequestrar carbono.

 

Esse tipo de criação de gado e aves já foi descrito por Michael Pollen, no seu livro o Dilema do Onívoro. Onde ele mostra todo o caminho percorrido dos alimentos desde sua produção até a nossa mesa, praticamente você consegue informações sobre cada um dos alimentos que consome diariamente.

 

Isabelle Tree e seu marido Charlie Burrell administram um local chamado Knepp Castle Estate, onde em eles transformaram uma fazenda de 1.400 hectares (3.500 acres) em West Sussex para pastagem extensiva usando rebanhos de gado inglês Longhorn, porcos Tamworth, pôneis Exmoor, veados e gamos como parte de um projeto de “rewilding”, que é a prática de retornar áreas de terra para um estado selvagem, incluindo a reintrodução de espécies animais que não são mais encontradas.

 

Durante 17 anos, eles lutaram para tornar lucrativos os negócios convencionais, mas na argila pesada de Low Weald, eles nunca poderiam competir com as fazendas com solos mais leves. Atualmente, o ecoturismo, aluguel de prédios pós-agrícolas e 75 toneladas por ano de carne orgânica de gado alimentado a pasto contribuem para um negócio lucrativo. E como os animais vivem soltos ano todo, com muito para comer, eles não precisam de alimentação suplementar e raramente têm problemas de saúde.

 

Os animais vivem em rebanhos naturais e vagam por onde quiserem. Banham-se em rios e prados de água. Descansam onde gostam, desdenham os celeiros abertos que lhes foram deixados como abrigo e comem o que gostam. O gado e os cervos pastam flores silvestres e ervas e também os arbustos e árvores. Os porcos buscam rizomas e até mergulham nas lagoas. A maneira como eles pastam e vivem estimula a vegetação de diferentes maneiras, o que por sua vez cria oportunidades para outras espécies, incluindo pequenos mamíferos e pássaros.

 

Fundamentalmente isso acontece porque não administramos antibióticos e outros medicamentos rotineiramente necessários para o gado em sistemas intensivos, o esterco alimenta minhocas, bactérias, fungos e invertebrados, como os besouros de esterco, que puxam o estrume para o meio da terra. Este é um processo vital de restauração do ecossistema, devolvendo nutrientes e estrutura ao solo.

 

Danos ao solo é uma das maiores catástrofes que o mundo enfrenta atualmente. Um relatório de 2015 da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (ONU) afirma que, globalmente, 25 a 40 bilhões de toneladas de solo superficial são perdidas anualmente devido à erosão, graças principalmente à lavoura e cultivo intensivo.

 

Segundo a UN Food and Agriculture Organization a única maneira de reverter esse processo é permitir que as terras aráveis ​​permaneçam em pousio (período de um ano em que as terras são deixadas sem semeadura, para repousarem) e devolvê-las às pastagens por um período, como costumavam os agricultores, antes da utilização de fertilizantes artificiais e da mecanização possibilitem o cultivo.

 

O gado em pastoreio não apenas fornece aos agricultores uma renda, mas o esterco, a urina e até a maneira como eles pastam, acelera a restauração do solo. A chave é ser orgânico e manter o número de animais baixo para evitar o excesso de pastoreio.

 

Vinte anos atrás, o solo de Knepp Castle Estate estava severamente degradado após décadas de utilização intensiva, ele estava quase que biologicamente mortos. Agora, ele tem fungos e orquídeas frutíferas em antigos campos aráveis, uma indicação de que as redes subterrâneas de fungos micorrizos estão se espalhando.

 

Atualmente existem 19 tipos de minhocas, que são responsáveis ​​por arejar, fertilizar, hidratar e até desintoxicar o solo. É possível encontrar 23 espécies de besouros de esterco em um único vacário, um dos quais - o violeta dor de besouro - não é visto em Sussex há 50 anos.

 

A quantidade de pássaros que se alimentam de insetos atraídos por esse esterco nutritivo cresceu muito. Os porcos oferecem oportunidades para que a flora e os arbustos nativos germinem, o que inclusive deu origem à maior colônia de Imperadores Roxos da Grã-Bretanha, uma de nossas borboletas mais raras, que deposita seus ovos em folhas escuras.

 

Muito tem sido feito sobre as emissões de metano da pecuária, mas estas são mais baixas nos sistemas de pastagem da biodiversidade que incluem plantas silvestres como angélica, fumitório comum, bolsa de pastor e trevo de pés de aves porque contêm ácido fumárico - um composto que, quando foi adicionado a dieta de cordeiros no Rowett Institute, em Aberdeen, reduziu as emissões de metano em 70%.

 

Mas é importante dizer que 70% do metano produzido no planeta sai de áreas alagadas, como as plantações de arroz e o Pantanal. Que 12% do metano encontrado em nossa atmosfera é produzido por insetos, como os cupins e que 2/3 dos seres humanos produzem metano durante a respiração.

 

Na equação vegana, por outro lado, o custo de carbono da lavoura é raramente considerado. Desde a revolução industrial, de acordo com um relatório de 2017 da revista científica Nature, até 70% do carbono em nossos solos cultivados foram perdidos para a atmosfera.

 

Em relação ao carbono, sua influência sobre os efeitos climáticos e até mesmo a existência ou não das mudanças climáticas no planeta é relevante citar que não existe um consenso entre os cientistas da área, para saber mais sobre isso você podem ler o texto do Professor Alberto Molion.

 

Portanto, há uma enorme responsabilidade aqui: a menos que você esteja adquirindo seus produtos veganos especificamente a partir de sistemas orgânicos "sem escavação", você estará participando ativamente da destruição da biota do solo, promovendo um sistema que priva outras espécies, incluindo pequenos mamíferos, pássaros e répteis, das condições da vida e contribuindo significativamente para as mudanças climáticas, caso elas estejam mesmo acontecendo.

 

Nossa planeta evoluiu com a presença de grandes herbívoros , como rebanhos de aurochs (a vaca ancestral), tarpan (o cavalo original), alces, ursos, bisões, veados, veados, ovas, javalis e milhões de castores. São espécies cujas interações com o meio ambiente sustentam e promovem a vida. O uso de herbívoros como parte do ciclo agrícola pode contribuir bastante para tornar a agricultura sustentável.

 

Caso suas preocupações como vegetariano ou vegano sejam o meio ambiente, o bem-estar dos animais e sua própria saúde, não é mais possível fingir que tudo isso é atendido simplesmente desistindo de carne e laticínios. Por mais que muitos queiram negar, adicionar carne de gado alimentada a pasto à sua dieta pode ser o caminho certo para sua saúde e a do planeta.

 

Grande Abraços,

Carlinhos

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivos
Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social